quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Chapada Diamantina, Bahia - Brasil


Foto: fran macedo

No Entardecer dos Dias de Verão

No entardecer dos dias de Verão, às vezes,
Ainda que não haja brisa nenhuma, parece
Que passa, um momento, uma leve brisa...
Mas as árvores permanecem imóveis
Em todas as folhas das suas folhas
E os nossos sentidos tiveram uma ilusão,
Tiveram a ilusão do que lhes agradaria...
Ah, os sentidos, os doentes que veem e ouvem!
Fossemos nós como devíamos ser
E não haveria em nós necessidade de ilusão ...
Bastar-nos-ia sentir com clareza e vida
E nem repararmos para que há sentidos ...
Mas graças a Deus que há imperfeição no Mundo
Porque a imperfeição é uma cousa,
E haver gente que erra é original,
E haver gente doente torna o Mundo engraçado.
Se não houvesse imperfeição, havia uma cousa a menos,
E deve haver muita cousa
Para termos muito que ver e ouvir ...

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XLI"
Heterônimo de Fernando Pessoa

domingo, 18 de dezembro de 2011

BAÍA de BODRUM - TURQUIA - ÁSIA MENOR

‪Summer‬ Foto: Pilar Azaña http://www.flickr.com/photos/piazta/5857207959/in/photostream/ 

 Soneto 18

Se te comparo a um dia de verão
És por Certo mais belo e Mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Às vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na terna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.

 [William Shakespeare, 1609]

CAPADOCIA - TURQUIA - ÁSIA MENOR

Capadocia
Foto: Pilar Azaña http://www.flickr.com/photos/piazta/5850209108/in/photostream/